Doutor Google? Nova inteligência artificial pode ser seu médico de bolso

A chegada da inteligência artificial na área da saúde pode significar que um dia todos nós teremos um médico no bolso, mas segundo a diretora de saúde do Google, é preciso que haja cautela sobre o que a IA pode fazer e quais devem ser os limites impostos quando o assunto é saúde.

“Haverá uma oportunidade para as pessoas terem um acesso ainda melhor aos serviços [e] a serviços com qualidade de ponta. Nós somos uma maneira de chegar lá, mas temos muitas coisas para resolver e para garantir que os modelos sejam restritos de forma adequada, que sejam factuais, consistentes e que sigam essas abordagens éticas e de equidade que queremos adotar – mas estou super empolgada com o potencial”, disse a Dra. Karen DeSalvo ao Guardian Austrália em uma entrevista na semana passada.

A Dr. Karen DeSalvo, que é ex-oficial de saúde do governo Obama, chefia a divisão de saúde do Google desde 2021 e visitou a Austrália pela primeira vez em seu cargo na semana passada. Ela disse que a IA seria uma “ferramenta na caixa de ferramentas” para os médicos, e poderia ajudar a solucionar problemas de escassez de força de trabalho, além de melhorar a qualidade dos cuidados prestados às pessoas. Isso preencheria as lacunas em vez de substituir os médicos, acrescentou ela.

“Às vezes, como médica, tenho que dizer: ‘Nossa, tem um novo estetoscópio na minha caixa de ferramentas chamado de modelo de linguagem de grande escala (LLMs), e ele fará muitas coisas incríveis.’ Mas não vai substituir os médicos – acredito que seja uma ferramenta que sirva como uma nova ajuda.”

Na última semana, um estudo feito pelo Google e publicado na Nature, analisou como os modelos de linguagem de grande escala (LLMs) poderiam responder a perguntas médicas, feito com o Med-PaLM LLM inserido no estudo.

O Med-PaLM LLM recebeu cerca de 3.173 perguntas médicas mais comuns pesquisadas online, e os resultados revelaram que o sistema gerou respostas equivalentes as respostas dos médicas em 92,9% das vezes. Já as respostas classificadas como possibilidade de resultados prejudiciais ocorreram a uma taxa de 5,8%. Isso fez com que os autores dissessem que uma avaliação mais aprofundada era necessária.

A Dr Karen, disse que o estudo ainda está em uma “fase de teste e aprendizado”, mas o Med-PaLM LLM pode ser o melhor estagiário para um médico, colocando todos os livros didáticos do mundo ao seu alcance. “Estou no campo de que há potencial aqui e devemos ser ousados ​​ao pensar sobre quais poderiam ser os usos potenciais para ajudar as pessoas em todo o mundo.”

Mas nunca devemos substituir os seres humanos no diagnóstico e tratamento de pacientes, disse ela, indicando que haveriam preocupações sobre o potencial de erros no diagnóstico, já que os primeiros LLMs estavam propensos ao que foi chamado de “alucinações de IA”, ao fazerem de tudo para darem a resposta necessária.

“Uma das coisas em que estamos realmente focados no Google é o ajuste do modelo e a restrição de forma que ele se incline para os fatos. Seja para um clínico ou para o paciente, você não quer um soneto sobre sua quimioterapia, você quer saber o que a literatura diz [e] está certo”, reforçou a doutora.

A Dr. Karen também disse que o objetivo final é resolver o desequilíbrio de informações entre a indústria médica e o público, e colocar o máximo de poder possível nas mãos dos pacientes. “A informação é um determinante da saúde e começa apenas com as pessoas entendendo e sabendo sobre a condição potencial… Queremos garantir que as pessoas tenham esse conhecimento”, disse ela.

“Quando eu estava praticando, adorava quando [os pacientes] apareciam com as folhas impressas ou um caderno espiral com todas as suas coisas sobre glicose escritas nas linhas, e podíamos ter uma conversa boa sobre o assunto.”

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

IA Tech Brasil
Logo
Shopping cart